A Acupuntura e o medo de agulhas

22 de julho de 2020 1
Acupuntura-e-o-medo-de-agulhas.jpg

A arte milenar da acupuntura assusta muita gente, que imagina que agulhas na pele causem dor e desconforto excessivo. O medo e o trauma podem afastar pacientes do alívio ou mesmo da cura dos seus males. Para estas pessoas, existem outras técnicas da Medicina Tradicional Chinesa aplicadas nos mesmos pontos da acupuntura clássica, que é a introdução de finas agulhas a poucos milímetros da pele.

Não se pode comparar a agulha de acupuntura com a agulha de injeção, que é cerca de 50 vezes mais calibrosa através da qual se injetam líquidos no organismo. As agulhas de acupuntura possuem as seguintes características: são extremamente finas ( como um fio de cabelo ), não cortantes e no formato de ponta de lápis, o que as impede de machucar e armazenar sangue. São confeccionadas em aço inoxidável, esterilizadas e descartáveis. Hoje, por serem de uso único, puderam ficar mais finas e sem a ponta romba devido ao múltiplo uso, como era no passado.

Quanto menos saudável o órgão ativado, mais o paciente sentirá a agulhada. Geralmente os pontos doloridos ao toque são aqueles relacionados com a doença a tratar. Eventualmente podemos acertar um nervo superficial  ou um ponto mais sensível da pele, causando dor. Neste caso, o paciente deve informar ao médico, que corrigirá a inserção da agulha. Os locais dos pontos onde estão os terminais nervosos são um pouco mais sensíveis que os demais. Portanto, ao serem aplicadas as agulhas, pode-se sentir dor muito leve, pequena sensação de peso ou raramente choque.

Dentro das técnicas usadas pela Medicina Tradicional Chinesa e suas modernidades ocidentais, a utilização de agulhas sempre será uma opção muito forte, porém não raramente descartada dependendo do que e de quem  vamos tratar.

A acupuntura sem agulhas ainda é pouco procurada em comparação com a tradicional. Mesmo assim, há boas indicações:

  • Pacientes agitados ou que tenham fobia de agulhas;
  • Pacientes com doenças mentais, pois podem tirar as agulhas durante a sessão;
  • Bebês ou crianças pequenas ou agitadas.

Técnicas alternativas:

Auriculoacupuntura:

Feita em pontos apenas nas orelhas. São utilizadas sementes ou pequenas esferas de aço inoxidável ou cristal, que ficam aderidas às orelhas através de micropore ou esparadrapo.

Acupressura:

Pressão nos pontos de acupuntura com as pontas dos dedos.

Eletroacupuntura:

Os pontos são estimulados através de um aparelho eletrônico que gera uma corrente elétrica de baixíssima intensidade, simulando a energia do nosso organismo. O aparelho pode ser conectado às agulhas ou diretamente na pele através de eletrodos auto-adesivos. O paciente sente uma leve sensação de coceira onde estiverem os eletrodos.

Moxabustão:

Método em que um punhado de moxa (erva Artemísia sinensis e Artemísia vulgaris ) ou outras ervas são queimadas sobre ou acima da pele, nos pontos de acupuntura.

Aplicação de Ventosas:

Método que trata doenças pela produção de uma congestão local, utilizando copos de vidro ou de acrílico com vácuo.

Todos os tratamentos são personalizados e com isso devemos levar em conta os traumas de cada um frente a uma experiência negativa com agulhas. Bons profissionais não usam apenas agulhas e nem vão inseri-las sem antes realizar uma boa anamnese (entrevista) para conhecer e diagnosticar o paciente.

Termine com seus preconceitos e medos: procure um médico especialista em acupuntura e tire todas as suas dúvidas!

Texto por: Dra. Rosângela da Silva Biegler – CREMERS 17440

Projeto Educador Logo Pequeno

O Projeto Educa Dor é uma ferramenta de informação em saúde, que busca levar de maneira clara, informações sobre os mais diversos conceitos envolvendo a dor crônica, seus tratamentos, métodos e diagnósticos.

Responsável técnico: Dr. João Marcos Rizzo - CREMERS 18903

Últimas postagens