Psiquiatra

DRA. LORENA CALEFFI

CREMERS 17211
Lorena Callefi


Entre em contato comigo:

(51) 99667-5673



Médica Psiquiatra com especialização em Dor e Medicina Paliativa

Nasci em Porto Alegre – RS em 1964 e ingressei na Faculdade de Medicina da UFRGS em 1983, graduando-me em 1989.

Iniciei a Residência em Psiquiatria no ano seguinte, 1990, no Serviço de Psiquiatria do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA). A Residência, com três anos de duração, inclui formação e treinamento em Consultoria Psiquiátrica, durante a qual tive a oportunidade de iniciar minha formação no Serviço de Dor e Medicina Paliativa do HCPA, na época chefiado pela Dra. Miriam Martelete.

Realizei um quarto ano de Residência exclusivamente para seguir a especialização em Dor e Medicina Paliativa, no HCPA.

Minha trajetória profissional em Dor iniciou logo em seguida, pois permaneci como psiquiatra voluntária no Serviço de Dor e Medicina Paliativa do HCPA. Além de atender os pacientes, passei a ministrar aulas e orientar como preceptora no Curso de Especialização em Dor, naquele mesmo Serviço. Em paralelo, iniciamos o ambulatório específico para residentes da Psiquiatria, dentro do Serviço de Dor, projeto desenvolvido pelo Dr. Rogério Wolf de Aguiar e eu, e que funciona até hoje com o nome de PRODOR.

Em 2005, fui convidada pelos Drs. João Marcos Rizzo, Luciano Oliveira e Marcos Bicca da Silveira a integrar a Clínica de Dor do Hospital Moinhos de Vento (HMV), passando a atuar nela desde então.

Além da atuação na Clínica de Dor do Hospital Moinhos de Vento, atendo em meu consultório privado e no Núcleo da Mama do HMV.


Formação Acadêmica

Dra. Lorena Caleffi

Minha galeria de fotos



Meus últimos textos:


24 de novembro de 2021

A qualidade do sono está diretamente ligada à qualidade de vida do ser humano. Enquanto dormimos, nosso organismo realiza funções extremamente importantes: fortalecimento do sistema imunológico, secreção e liberação de hormônios, consolidação da memória, entre outras.

29 de setembro de 2021

Quando coisas ruins acontecem, a maioria das pessoas se perturba. Não se trata de uma ‘doença’, apenas de uma reação humana normal. Se o sofrimento for maior do que se esperaria normalmente, ou quando houver prejuízo funcional, é que precisamos ficar alertas para a presença de um problema.

8 de setembro de 2021

Nestes meses de pandemia, em nosso país, tivemos o equivalente a cerca de tres acidentes de avião por dia em número de vítimas de SARS-Cov-2. Por dia. Pessoas que eram mães, pais, filhos, irmãos, amigos, colegas, íntimos, distantes, amados ou nem tanto. E aqueles que ficam? Qual o estado emocional possível de sobrevivência frente a uma perda por morte nesse quadro, quando não há chance de despedida?


Projeto Educador Logo Pequeno

O Projeto Educa Dor é uma ferramenta de informação em saúde, que busca levar de maneira clara, informações sobre os mais diversos conceitos envolvendo a dor crônica, seus tratamentos, métodos e diagnósticos.

Responsável técnico: Dr. João Marcos Rizzo - CREMERS 18903