Qual é o melhor tipo de exercício físico?

9 de março de 2022
QUAL-E-O-MELHOR-TIPO-DE-EXERCICIO-FISICO-1200x801.jpg

Não é de hoje que o exercício físico tem sido considerado um remédio eficiente para o manejo da dor, principalmente quando a causa se relaciona a problemas musculoesqueléticos. Muitos médicos indicam fisioterapia, outros indicam a procura de profissionais de educação física, conforme a situação do paciente, na busca de implementar um programa de atividade física, tanto para a melhora da saúde em geral, quanto para a melhora da dor crônica.

Confira também: Cuidados da cabeça aos pés ou dos pés à cabeça?

Os efeitos do exercício físico sobre muitos sistemas orgânicos têm sido bem estudados e diversos artigos científicos divulgam resultados positivos de pesquisas, com uso de diferentes tipos de exercícios sobre diferentes problemas de saúde. Muito se escuta sobre os benefícios do exercício aeróbico, mas exercícios de força muscular, flexibilidade e de integração corpo-mente também são ótimas opções.

Embora saibamos que exercício é importante, que é uma necessidade para a saúde, as modalidades e tipos de atividade física são tão variados que podem nos confundir. A dúvida de muitas pessoas sobre qual o melhor tipo de exercício, qual a frequência semanal, ou qual a melhor modalidade para o seu caso é bastante frequente. Para responder essa pergunta, a opinião de especialistas é o melhor caminho, mas sugestões de familiares e amigos, digital influencers, entre outros, pode auxiliar ou confundir as pessoas.

A categoria de exercício considerado aeróbico é aquela em que permanecemos em atividade contínua, com vários músculos ativos ao mesmo tempo. Esse tipo de exercício é geralmente realizado de forma cíclica, como correr, andar, nadar, pedalar continuamente, por no mínimo 30 minutos. Chama-se de aeróbico pois o metabolismo predominante para a fonte energética é dependente do oxigênio, utilizando o ácido graxo como principal substrato.

O fortalecimento do músculo cardíaco, os benefícios cardiovasculares e imunológicos se somam a uma maior produção de opiáceos endógenos, substâncias que provocam sensação de bem estar e analgesia. Exercícios aeróbicos são muito explorados cientificamente, sendo ótimas indicações para doenças cardiovasculares, manejo do stress, doenças autoimunes, depressão, ansiedade, dor crônica, entre outras inúmeras afecções de saúde.

Mas, será que só correr, nadar e pedalar são opções de exercício aeróbico? Não, há muitas outras opções, como aulas em circuito de exercícios, aulas de dança, corrida em água funda, entre outros. Será que caminhar é a melhor indicação para todos? E se o sujeito claudica? E se tem um forte desconforto durante a caminhada? E se não tem espaço físico? Nadar? E se o indivíduo não gosta de água ou não tem acesso à piscina? Muitas vezes as pessoas não encontram alternativas, pois não estão suficientemente subsidiadas para essa escolha.

Além dos exercícios aeróbicos, há os chamados anaeróbicos. Exercícios anaeróbicos são aqueles que geralmente utilizam um tipo de metabolismo que não necessita de oxigênio para obtenção de energia, e utilizam fontes como o glicogênio e o fosfagênio.

Também há comprovação científica de seus efeitos benéficos à saúde, principalmente sobre o sistema musculoesquelético e neuromuscular, melhorando a aptidão física e a saúde geral. Idosos, que têm perda de massa muscular, óssea e risco de quedas, se beneficiam muito com esse tipo de exercício, que pode estar mais voltado para o ganho de força ou potência muscular, coordenação motora e equilíbrio. Podem ser de diferentes tipos, mas geralmente durante a sessão, há pequenos períodos de intervalo entre os exercícios.

Neste tipo se enquadram a musculação, o Cross Fit, o Pilates, entre outros. O Pilates, muito popular atualmente, é um método que tem características anaeróbicas e é muito voltado para a estabilidade da coluna, a flexibilidade geral e, principalmente, para a consciência dos movimentos. Uma mesma modalidade pode ter caráter aeróbico ou anaeróbico, conforme o tipo de montagem de aula, como por exemplo a hidroginástica. Essas aulas de ginástica em ambiente aquático permitem variações de montagem de sessões, podendo ser mais aeróbicas ou anaeróbicas, ou ainda, mais voltadas para a força/potência muscular, equilíbrio ou flexibilidade. 

No mundo do exercício físico é muito comum haver “moda”. Houve épocas em que as aulas de ginástica coreografadas eram famosas, os grupos de corrida em outros tempos, o tênis de praia….tantas “ondas” chamam atenção em diferentes momentos históricos, o que pode nos deixar confusos.

Então? Qual é o melhor tipo de exercício? Embora a recomendação médica e a opinião de um especialista (fisioterapeuta ou profissional de educação física) seja o melhor caminho – pois vai utilizar subsídios técnicos aliados à concepção da individualidade biopsicossocial de cada um, seu quadro clínico, suas queixas, sua história e sua realidade de vida diária -, recentemente o American College of Reumathology publicou um guideline, onde constatou que o melhor exercício é aquele em que a pessoa adere, consegue dar continuidade, tem prazer, mesmo que relativo a outras modalidades, e obtém boa resposta em relação ao seu problema de saúde.

Assim, cada um de nós pode experimentar modalidades que sejam adequadas para nos auxiliar, mas que sejam práticas para nós e, principalmente, que nos motivem à continuidade. Exercício é bom para a saúde, desde que adequado para si e continuamente praticado.

Texto por: Dra. Flávia Gomes Martinez – CREFITO 9304-F – CREF 2486-G/RS

Projeto Educador Logo Pequeno

O Projeto Educa Dor é uma ferramenta de informação em saúde, que busca levar de maneira clara, informações sobre os mais diversos conceitos envolvendo a dor crônica, seus tratamentos, métodos e diagnósticos.

Responsável técnico: Dr. João Marcos Rizzo - CREMERS 18903

Últimas postagens