Dor de cabeça e “aprisionamento” de nervo

5 de maio de 2021
Dor-de-cabeca-e-aprisionamento-de-nervo-min-1200x800.jpg

As dores de cabeça são um dos problemas de dor mais comuns no nosso meio. Eles afetam cerca de 30 milhões de pessoas nos Estados Unidos. No Brasil são responsáveis por milhões de dólares em custos médicos, custos de mão de obra perdida e custos associados que constituem fardos significativos. Embora descritas popularmente na maioria das vezes como “enxaqueca”, as dores de cabeça são complexas, e mesmo o entendimento à luz da medicina é uma ciência em evolução.

Embora quase sempre vistas como uma patologia primária, as dores de cabeça são fundamentalmente um sintoma com várias origens e causas comprovadas. Existem muitos tipos de dores de cabeça, mas não existem duas dores de cabeça iguais. A despeito de suas especificidades em cada caso, pode-se identificar padrões distintos de dor (facilmente reconhecidos) que podem não ser uma dor de cabeça (cefaléia ou enxaqueca) “verdadeira”, mas sim representar uma nevralgia por aprisionamento de nervo. Através do reconhecimento de padrões, muitas dores de cabeça podem ser rapidamente diagnosticadas e, com o devido cuidado, acabar totalmente.

Um exemplo comum de compressão de um nervo único é visto com o aprisionamento do nervo auricular posterior. Essas pessoas geralmente têm um diagnóstico de “enxaqueca” e sofrem de uma forte dor de cabeça sempre que usam óculos apertados. Tirar os óculos proporciona um alívio quase imediato da dor e sintomas associados.

Assim, os óculos aprisionaram o nervo auricular posterior, um nervo fora do crânio, e essa compressão nervosa ativou outros locais de defesa que respondem com dor tipicamente, agora sim, atendendo à classificação médica de “enxaqueca”. Essa ativação resulta em uma típica enxaqueca latejante e severa com os sintomas associados de sensibilidade à luz e ao som, náusea ou vômito. Remover o estímulo encerrará a dor de cabeça e os sintomas associados. Esta resposta imediata é o que vemos quando qualquer um dos nervos presos na cabeça e pescoço são injetados com anestésico local, produzindo alívio quase imediato da dor e dos sintomas associados.

Por ser um local de proteção do sistema nervoso, o arcabouço ósseo tanto do crânio quanto da coluna vertebral são recobertos por grande inervação que funciona como um sistema de “alarme” para proteger essas estruturas nobres. Não surpreendentemente as dores mais comuns no ser humano incluem as dores na região da coluna e as cefaléias.


Áreas sensoriais dos ramos dos nervos trigêmeo e cervical:

A Nervo supraorbital, B nervo infraorbital, C nervo mental, 

D nervo bucal, E nervo lacrimal, F nervo auriculotemporal,

G plexo cervical superficial, nervo auricular posterior H/ nervo grande auricular, I nervo occipital

(Imagem de Terri Dallas-Prunskis, MD)


O tratamento das neuralgias por aprisionamento inclui medicamentos, bloqueios diagnósticos e terapêuticos além de neuromodulação por radiofrequência pulsada/neuroestimulação podendo chegar a medidas mais invasivas como hidrodissecção (soro sob pressão) para liberar o nervo aprisionado.

Texto por: Dr. Luís Josino Brasil – CREMERS 19661

Créditos da Imagem: Freepik 

Projeto Educador Logo Pequeno

O Projeto Educa Dor é uma ferramenta de informação em saúde, que busca levar de maneira clara, informações sobre os mais diversos conceitos envolvendo a dor crônica, seus tratamentos, métodos e diagnósticos.

Responsável técnico: Dr. João Marcos Rizzo - CREMERS 18903

Últimas postagens