Dor Pélvica Crônica em mulheres – Visão geral

15 de setembro de 2021
Dor-Pelvica-Cronica-em-mulheres-1200x800.jpg

Definição de Dor Pélvica Crônica

A Dor Pélvica Crônica (DPC) refere-se ao quadro doloroso percebido na região pélvica, persistente de 3 a 6 meses ou mais, e não relacionada à gestação.

DPC geralmente refere-se à dor limitada à pelve anatômica, que é a região compreendida entre a cicatriz umbilical (umbigo) e os ligamentos inguinais (na região das virilhas). Dores na região da vulva ou na região do períneo, são categorizadas separadamente da DPC.

Quem afeta e quais as causas mais comuns

No mundo, a DPC feminina afeta de 6 a 25% das mulheres em idade reprodutiva (fértil).

A avaliação de dados de serviços de cuidados primários no Reino Unido, mostra que a síndrome do cólon irritável e  as cistites são os diagnósticos mais comuns em mulheres com dor pélvica em todos os grupos de idade. Condições ginecológicas somam cerca de 20% dos casos de DPC na população feminina. Em um centro de referência ginecológica nos Estados Unidos, os diagnósticos identificados em ordem foram: síndrome do cólon irritável, causas músculo-esqueléticas e endometriose.

Impacto sócio-econômico

Pacientes com DPC, geralmente são tratadas em regime ambulatorial e requerem uma variedade de técnicas e profissionais da área da saúde, para melhorar o resultado (tratamento multimodal da dor crônica).

A hospitalização está relacionada ao grau de complexidade do tratamento para o controle da dor e a severidade do caso. Métodos invasivos e mais complexos (cirúrgicos ou analgésicos), para esta finalidade, normalmente requerem tratamento com a paciente internada.

Para se ter idéia de custos, nos Estados Unidos, os custos médicos diretos, estimados para consultas ambulatoriais por esta queixa, são de 881 milhões de dólares/ano, aproximadamente. Já, no Reino Unido, o manejo destas pacientes custa 158 milhões de libras/ano.

A paciente e sua família devem ter um bom entendimento sobre a natureza multifatorial da dor crônica, necessitando de um tratamanto multidisciplinar.

Muitas vezes, pacientes com DPC exibem um comportamento doloroso exagerado ou sensações de difícil descrição e o profissional responsável deve adotar passos conservadores apropriados, evitando repetir procedimentos invasivos e caros na avaliação e no diagnóstico do quadro clínico.

Qualidade de vida e Dor Pélvica Crônica

Qualidade de Vida (QV) foi definida pelo Grupo de Qualidade de Vida da Organização Mundial da Saúde (OMS), como “a percepção do indivíduo de sua posição na vida, no contexto da cultura e sistema de valores nos quais ele vive e em relação aos seus objetivos, expectativas, padrões e preocupações “.

O fenômeno doloroso tem uma influência negativa sobre a QV das pessoas em geral. Nas mulheres, a dor pélvica tem um grau maior de influência, do que outros tipos de dor. Essa evidencia já foi demonstrada, revelando a associação de quanto mais dor, menor a QV. O estímulo doloroso crônico, sem um tratamento adequado, leva a um estado de hipersensibilidade generalizada (percepção aumentada de dor). Essa hipersensibilidade correlaciona-se com prejuízo de vários parâmetros da QV.

Texto por: Dr. Luciano de Oliveira – CREMERS 22739

Créditos da Imagem: Envato Elements

Projeto Educador Logo Pequeno

O Projeto Educa Dor é uma ferramenta de informação em saúde, que busca levar de maneira clara, informações sobre os mais diversos conceitos envolvendo a dor crônica, seus tratamentos, métodos e diagnósticos.

Responsável técnico: Dr. João Marcos Rizzo - CREMERS 18903

Últimas postagens