E como ficou a cervical com o novo normal?

22 de setembro de 2021
E-como-ficou-a-cervical-com-o-novo-normal-1200x761.jpg

A coluna cervical, localizada na parte posterior do pescoço, passou a ser muito desafiada com o “novo normal” da pandemia de Covid 19. O pescoço é abrigo de muitas estruturas anatômicas nobres, como laringe, faringe, grandes vasos, nervos, linfonodos e glândula tireóide. Na parte posterior do pescoço estão as 7 vértebras que compõem a coluna cervical, com seus discos amortecedores. Vértebras, articulações intervertebrais e músculos dão suporte e sustentação à cabeça na maior parte do dia. E é essa a musculatura mais resistente do corpo, considerando que, na maior parte do tempo, desde a hora que acordamos até a hora de dormir, os músculos da coluna cervical estão em atividade para sustentar nossa cabeça, direcionar o olhar e estabilizar o crânio durante as funções da vida, como falar, mastigar, deglutir…

Confira também: Um remédio chamado banho

Então, como foi impactada a coluna cervical com a Pandemia? Horas e mais horas utilizando dispositivos eletrônicos: telefone celular, tablet, computadores, televisão… Tantos dispositivos demandando atenção, fixação do olhar e ajustes da visão… Haja saúde para suportar os avanços e retrações da cabeça, por vezes aliando a digitação e o raciocínio ou comunicação por meio destes dispositivos. Com isso, tensões musculares, sobrecargas articulares e postura inadequada podem provocar sinais e sintomas. Dentre eles, dores tensionais no próprio pescoço e na musculatura dos ombros, dores de cabeça, fadiga, desconforto nos braços, entre outras queixas. E como lidar com a cervical durante o “novo normal”? Primeiramente, importante avaliarmos os locais e a postura que adotamos para as atividades que usam dispositivos eletrônicos, pois o bom alinhamento do corpo e da postura é muito importante. Nesse sentido, seguem outras dicas práticas que podem auxiliar.

Ajuste a tela para uma posição em que o olhar esteja horizontal e a cabeça bem posicionada. O queixo pode ser uma referência: ele não deve estar muito próximo ao pescoço, pois isso indica uma retificação da curvatura fisiológica (normal) da coluna cervical. Também não deve estar muito afastado do pescoço, pois isso hiperestende a cabeça e sobrecarrega a musculatura suboccipital, que fica sob a nuca. Outra dica importante, dê suporte aos braços/cotovelos durante a digitação, evitando a elevação dos ombros, pois com os braços sem apoio a tensão da musculatura dos ombros aumenta e, como há músculos que se ligam à cabeça e aos ombros, como o trapézio, essa tensão pode aumentar e prejudicar a região cervical. Faça intervalos, olhe para o horizonte, relaxe os olhos.

Alongue a musculatura cervical, inclinando lateralmente a cabeça, durante alguns segundos, alternando os lados e baixando os ombros, buscando um “auto-crescimento”, levando o topo da cabeça para cima. Faça exercícios simples de mobilidade, como rodar a cabeça para um lado e outro (simulando um gesto de “não”), subir e descer o queixo (simulando um gesto de “sim”) e inclinando para um lado e outro (simulando o gesto de “talvez”). Utilize o banho quente ou tépido para fazer automassagem nos músculos do pescoço e ombros, use bucha vegetal ou esponja com frequência, pois isso ajuda no relaxamento muscular. Faça pausas relaxantes. Respire pelo diafragma, inspire e expire profundamente e busque relaxar durante a rotina diária. Enfim, cuide da sua cervical para que ela esteja saudável para dar o suporte mecânico necessário à sua cabeça!

Texto por: Dra. Flávia Gomes Martinez – CREFITO 9304-F – CREF 2486-G/RS

Créditos da imagem: Envato

Projeto Educador Logo Pequeno

O Projeto Educa Dor é uma ferramenta de informação em saúde, que busca levar de maneira clara, informações sobre os mais diversos conceitos envolvendo a dor crônica, seus tratamentos, métodos e diagnósticos.

Responsável técnico: Dr. João Marcos Rizzo - CREMERS 18903

Últimas postagens