Como descartar medicamentos corretamente?

31 de março de 2021
Como-descartar-medicamentos-corretamente-min-1200x800.jpg

Medicamentos vencidos, medicamentos que não serão mais utilizados pelo paciente ou suas embalagens primárias vazias, não devem ser descartados em lixo comum, nem derramados em pias ou vasos sanitários, pois podem contaminar o solo, rios e lençóis freáticos ou ainda serem encontrados no lixo e utilizados inadvertidamente por pessoas ou ingeridos por animais.

Em uma pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha por solicitação do Conselho Federal de Farmácia em 2019, 76% dos entrevistados indicaram maneiras incorretas para o destino final desses resíduos. A maior parte da população descarta sobras de medicamentos, medicamentos vencidos e embalagens primárias (blisters, frascos, bisnagas) no lixo comum. Quase 10% afirmaram que jogam os restos no esgoto doméstico (pias, vasos sanitários e tanque).

Há três aspectos básicos a considerar no descarte dos medicamentos:

  1. Dano ao meio ambiente
  2. Dano ao ser humano
  3. Desperdício

Medicamentos descartados na água (por ex.: pias e vasos sanitários) terminam chegando às reservas que abastecem as estações de tratamento de água, para abastecimento da própria cidade. Mesmo sendo tratada, não podemos garantir que a água que ingerimos esteja livre de medicamentos. E esses medicamentos (antibióticos, hormônios, corticoides) terminam chegando até às pessoas novamente e sendo ingeridos. A água também vai para a terra contaminando-a e daí para os alimentos.

Tudo é interligado, tudo é uma cadeia. Não podemos nos ater somente ao nosso quintal, não existe um planeta B onde descartar nossos resíduos, por isso, os resíduos devem ser reduzidos, reutilizados ou reciclados e não simplesmente descartados. O fato é que os medicamentos devem ter descarte especial, sejam sólidos (comprimidos e cápsulas), semi-sólidos (cremes e pomadas) ou líquidos (soluções e suspensões). O destino final serão aterros controlados específicos para este fim.

São considerados resíduos químicos tanto o medicamento quanto suas embalagens primárias, que são as que tocam diretamente o medicamento, por exemplo: comprimido e blister, comprimido e frasco, solução e frasco, pomada e bisnaga. Assim, medicamento e embalagem primária devem ser descartados juntos.

As embalagens secundárias (que não têm contato direto com o medicamento, normalmente caixas, são recicláveis ). As farmácias, principalmente as grandes redes, têm dispositivos receptores de medicamentos e suas embalagens primárias. Sugerimos que os medicamentos vencidos sejam descartados sempre nesses coletores nas farmácias, pois não poderão mais serem utilizados. O mesmo destino deverá ser dado às embalagens primárias. Não descarte no lixo comum, nem mesmo no lixo reciclável. Estas embalagens são consideradas RESÍDUOS QUÍMICOS, como os medicamentos.

As embalagens de medicamentos ( frascos, potes ) não devem ser lavadas em casa para reutilização. No caso de sobras de medicamentos não vencidos, aqueles que ficam de um tratamento que foi alterado pelo seu médico ou que excederam o numero de doses prescritas, sugerimos que sejam entregues aos médicos que os prescreveram, para que sejam encaminhados a outros pacientes, muitas vezes sem condições de adquiri-los ou nos chamados “bancos de medicamentos”, para que, da mesma forma, sejam usados por outras pessoas. Assim, evitamos o desperdício de um recurso caro e necessário a todos, bem como a contaminação do meio ambiente.

Links sugeridos:

 

Texto por: Dr. João Marcos Rizzo – CREMERS 18903
Créditos da Imagem: Freepik

Projeto Educador Logo Pequeno

O Projeto Educa Dor é uma ferramenta de informação em saúde, que busca levar de maneira clara, informações sobre os mais diversos conceitos envolvendo a dor crônica, seus tratamentos, métodos e diagnósticos.

Responsável técnico: Dr. João Marcos Rizzo - CREMERS 18903

Últimas postagens