Tratamento invasivo da dor no câncer

13 de outubro de 2021
Tratamento-invasivo-da-dor-no-câncer-min-1200x800.jpg

É importante salientarmos que a dor oncológica pode e deve ser tratada inicialmente com medicamentos, de preferência via oral ou transdérmica. São formas de tratamento mais simples e com as quais, normalmente, se consegue um controle eficaz da dor causada pelo câncer.

Confira também: Neuralgia de Arnold

Nos baseamos no esquema analgésico desenvolvido pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que propôs os “degraus” de analgesia necessária para os vários níveis de intensidade da dor. Existem várias escalas para mensurarmos a dor, com vários formatos. Basicamente, associamos medicamentos cada vez mais potentes (p. ex., opióides) conforme a intensidade da dor. Se mesmo assim houver persistência da dor, podemos utilizar os métodos invasivos.

Projeto Educa Dor

Sempre devemos avaliar as condições clínicas do paciente, as características da dor, a resposta a tratamentos prévios, drogas e equipamentos disponíveis, treinamento profissional e aceitação do paciente. Para todos os métodos a serem utilizados, devemos nos basear em evidências científicas para que possamos indicá-los.

São métodos invasivos:

1. Bloqueios neurolíticos: nestes casos se utiliza álcool ou fenol (ácido fênico) como veículo, com o objetivo de eliminar a inervação de determinada região. Entre os mais comuns temos:

  • Bloqueio do plexo celíaco: utilizado em dores de vísceras do andar superior do abdômen, tais como pâncreas, fígado, estômago, etc.
  • Bloqueio neurolítico do Simpático Lombar: utilizado em dores pélvicas.
  • Bloqueio neurolítico dos nervos cranianos: trigêmeo, glossofaríngeo, etc
  • Bloqueio neurolítico subaracnóideo: indicado para dores segmentares (somáticas).

Pode-se ainda lançar mão de radiofrequência para fazer ablação de plexos ou nervos, substituindo o uso dos agentes neurolíticos.

2. Analgesia espinhal: utiliza-se bombas de infusão, totalmente implantáveis. As mesmas são programadas através da pele, o que possobilita aumentar ou diminuir sua infusão conforme a necessidade. O medicamento mais utilizado no Brasil é a morfina. Por esta via se obtêm maior potência analgésica, tanto da morfina quanto de outros fármacos.

3. Neuroestimulação medular: o implante de neuroestimuladores medulares se faz mediante a presença de dor neuropática refratária presente, seja decorrente da doença ou de seu tratamento.

Texto por: Dr. Marcos Sperb Bicca da Silveira – CREMERS 12381

Créditos da foto: Envato

Projeto Educador Logo Pequeno

O Projeto Educa Dor é uma ferramenta de informação em saúde, que busca levar de maneira clara, informações sobre os mais diversos conceitos envolvendo a dor crônica, seus tratamentos, métodos e diagnósticos.

Responsável técnico: Dr. João Marcos Rizzo - CREMERS 18903

Últimas postagens